No Anfiteatro Mártir-in-Colo, Covilhã

O Teatro das Beiras recebe na cidade da Covilhã, o espetáculo “A Herança de Jeremias”- produção do Teatro do Montemuro,a  27 de julho às 22 horas no anfiteatro do Mártir in Colo. Espetáculo para o ar livre, “A Herança de Jeremias” conta a história daCabana do Jeremias, um estranho e carismático edifício, claramente construída aos poucos por uma mão nem sempre “expert” no que diz respeito à construção civil, mas com muito amor e muita paixão.

Imagem

É o lar de um campeão, parte estábulo, parte local de devoção, parte museu, testemunho das muitas conquistas de Jeremias Sénior (o Jockey) e Jeremias VI (o burro). No exterior da cabana, muitos sinais destas conquistas: medalhas, retratos, fitas vencedoras, taças e muito mais, para além de fardos de feno e outros objectos próprios para o bem-estar de um burro.

Mas a morte trágica de Jeremias (o Jockey), devido à inédita queda de Jeremias (o burro) naquela que era suposta ser a sua última vitória na Grande Corrida de Burros antes da gloriosa e bem merecida reforma de Jeremias e Jeremias, muda tudo.

Entram José (o cornudo) e Joaquim (o bêbado), os dois herdeiros de Jeremias com as suas respectivas famílias: Josefina (a fresca), Jorgina (a negociante) e Jeremias Júnior (o estudioso).

Temos partilhas!

E é aqui que começam os verdadeiros problemas:

Como dividir uma cabana?

Como dividir um curral?

E acima de tudo…

Como dividir um burro?

Uma família, duas facções, uma guerra.

Estranha, bizarra e divertidíssima, do princípio ao fim, esta comédia visual, musical e muito teatral, faz da dor e do conflito, primeiro uma farsa e mais tarde uma celebração da união e do amor fraternal, no sentido mais abrangente desta palavra.

A Herança de Jeremias deixa-nos cheios de esperança.

Mesmo quando os problemas parecem não ter solução e as guerras parecem não ter fim, o regresso às vitórias está ao virar da esquina.

Como dizia o velho Jeremias: “Há que ter fé e um bom Burro”

Imagem
Texto Criação colectiva do Teatro do Montemuro Encenação Graeme Pulleyn Direcção Musical Walter Janssens Interpretação Abel Duarte, Eduardo Correia, Paulo Duarte, Isabel Fernandes Pinto e Rebeca Cunha Cenografia, adereços e figurinosMaria João Castelo Construção de Cenários Carlos Cal Assistência à construção de cenários Maria da Conceição Almeida Costureiras Capuchinas CRL Desenho de Luz Paulo Duarte Operação Técnica Carlos Cal Direcção de Produção Paula Teixeira Assistente de ProduçãoSusana Duarte Assessoria de Imprensa Paula Teixeira e Susana Duarte

  1. Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: